Futurismo e análise de tendências: o que você precisa saber?

O que vem à sua mente quando falamos em futurismo? Esse conceito é fundamental para que as grandes e médias empresas de todos os setores se mantenham alinhadas às principais tendências de mercado, incorporem as melhores inovações para os seus processos internos e ganhem competitividade. 

Já pensou se você pudesse prever o que vai revolucionar o mercado? É claro que não é possível ter 100% de certeza sobre quais tendências permanecerão ou quais serão as inovações do futuro. Mas existem técnicas que ajudam a sua empresa a ter um espectro maior de previsibilidade sobre esses fenômenos. 

Então, se você quer criar algo novo na sua empresa e está pensando em promover mudanças no negócio que acompanhem as tendências, mas não sabe muito bem por onde começar, precisa conferir o post de hoje. Vamos falar sobre futurismo, futurologia e Future Canvas. Continue lendo para saber mais!

Como se preparar para o futuro?

Você gostaria de ser capaz de prever o futuro? E, aqui, não estamos falando de vidência, mas de futurologia, uma abordagem científica que tenta prever alguns aspectos da humanidade e sugerir e avaliar alguns possíveis cenários futuros. 

Ao olharmos para a Literatura, para o Cinema e para as séries, percebemos como muitas cabeças já pensaram no que poderia acontecer no futuro. Pense nos livros “A revolução dos bichos” e “1984”, de George Orwell, em “Admirável mundo novo”, de Aldous Huxley ou nos filmes de sci-fi como “A Ilha”, “Ex Machina” e até na série “Black Mirror”. Todas essas referências, de alguma forma, conseguiram antecipar tendências ou ver o que poderia acontecer no futuro.

Mas isso não é uma exclusividade dos escritores e roteiristas. Sua empresa também pode se preparar para o que virá, antecipando tendências. Então, em vez de apenas acompanhar o que está acontecendo, o seu negócio pode ser protagonista ao criar ou participar dessas tendências, se planejando e criando oportunidades de inovação.

Inclusive, governos como o da Inglaterra têm departamentos específicos para isso e que entendem que as decisões do presente têm um grande impacto no futuro. Mas, como o futuro é incerto, esse fator torna esse tipo de decisão ainda mais difícil.

Por isso, esses departamentos adotam o processo de Foresight para abordar questões envolvendo o futuro, considerando fatores que podem desencadear eventos mais para frente. Essa etapa também envolve a aplicação da técnica de Horizon Scanning, para ajudar a antecipar cenários, definir as melhores ações, encontrar oportunidades no futuro e enfrentar os desafios que virão. Não à toa, o governo inglês estabeleceu estreita colaboração com o Cabinet Office por meio da Horizon Scanning Program Team (HSPT).

A multinacional Shell também tem um departamento que estuda o futuro da energia desde a década de 1970. O objetivo é pensar em cenários possíveis e nortear melhor as decisões dos líderes, de governos, instituições educacionais e organizações. 

Esses são apenas dois exemplos de organizações que entenderam a importância da futurologia nas suas ações do presente. Nesse cenário, é preciso considerar as tendências que estão por vir. Saiba como analisá-las a seguir!

Análise de tendências

Para se preparar para o futuro, é necessário acompanhar tendências e sinais de mudança. Então, é recomendável utilizar uma metodologia chamada de sinais fracos (weak signals). Voltaremos a esse conceito mais para frente, quando falarmos sobre o conceito de Future Canvas. Mas já podemos adiantar que esses sinais não são assim tão fracos como parecem.  

Voltando à análise de tendências, o Gartner Hype Cycle também é uma ferramenta que pode auxiliar nesse processo. Trata-se de uma abordagem que permite identificar ou prever como determinada tecnologia irá evoluir ao longo do tempo. 

Essa ferramenta é bastante eficiente para as empresas, uma vez que novidades tecnológicas surgem a todo o momento e é preciso filtrar o que será implementado nessas organizações. Assim, o Gartner Hype Cycle ajuda a suportar as decisões de líderes e gestores com base em futurologia. 

Então, essa abordagem contribui para a avaliação de novas tecnologias de acordo com as particularidades de cada setor, analisando os riscos e os benefícios de adotar essas inovações. O Hype Cycle é eficiente para diferenciar quais tecnologias realmente permanecerão no futuro e quais são apenas passageiras, não valendo o investimento das empresas. 

Mas como esse processo funciona? Para as suas análises, o Gartner Hype Cycle se baseia em 5 etapas que caracterizam o ciclo de vida de uma inovação  tecnológica: 

  • gatilho de inovação
  • pico de expectativas
  • vale de desilusão (em que a agitação em torno da novidade diminui)
  • declive da iluminação (em que se entende melhor como essa tecnologia funciona e contribui)
  • platô de produtividade (mais pessoas adotam essa inovação e é possível avaliar melhor a viabilidade da tecnologia)

O que é futurismo?

Muito provavelmente, você já ouviu falar em futurismo. Mas consegue definir esse conceito? De forma resumida, ele é o estudo de cenários futuros. Não se pode prever o futuro, mas é possível prever cenários que talvez se concretizem mais para frente. A ideia, com isso, é preparar a empresa para os diferentes contextos que podem surgir. 

Nesse caso, a abordagem de Futures Cones é bastante eficiente para auxiliar a sua empresa a se preparar para mudanças e tendências. Essa metodologia engloba diferentes classes de futuros: possível, provável, potencial, plausível, improvável, projetado e preferível, como representado nesta imagem: 

Afinal, como não existe uma maneira de prever o futuro, fala-se em futuros e em formas de melhorar a visão de futuro das empresas. Existem diversos cenários possíveis ou potenciais e qualquer um deles pode se concretizar. Então, o importante é que o seu negócio esteja preparado para cada situação.

Por isso, é preciso identificar tendências e ter um olhar apurado para entender quais provavelmente irão trazer os melhores retornos para o seu negócio. Mas, como fazer isso? Confira algumas sugestões a seguir!

Como identificar tendências?

Para identificar tendências, existem diversas técnicas para refinar a previsão do que virá, quando essas tendências vão se consolidar e quais são os potenciais cenários futuros.

Então, é preciso analisar as diversas metodologias, escolher uma, aplicá-la e analisar os resultados para ver se ela é eficiente para o seu negócio. 

Nesse contexto, é importante ter um planejamento para tomar decisões melhores sobre o futuro e preparar a sua empresa para as inovações tecnológicas.

Mas como fazer um planejamento estratégico pensando em tendências?

Esse planejamento é baseado na definição de um caminho a ser seguido por uma organização para atingir seus objetivos, dentro de um contexto previamente analisado. Ou seja, trata-se de um exercício de análise futura para ajudar a empresa a chegar em determinado patamar. 

Por essa razão, o planejamento estratégico deve envolver o uso de metodologias de análise de futuros. Uma delas é, justamente, o Future Canvas. A seguir, saiba mais sobre esse conceito que está contribuindo para que empresas identifiquem tendências e se preparem para o futuro!

Como usar o Future Canvas

A Bits Academy criou uma ferramenta para auxiliar e orientar a sua análise de futuros: o Future Canvas.

O Future Canvas é baseado em metodologias de análise de futuros. Visualmente, ele é um quadro dividido em 5 partes para você completar de acordo com a realidade da sua empresa e que seguem essa sequência: 1. Sinais Fracos; 2. Roda do futuro; 3. STEEP; 4. Tendências; 5. Cenários do Futuro, como mostra este modelo:

Assim, conectamos essas metodologias ao guiar você pelo processo de análise de cenários futuros. A seguir, entenda um pouco mais sobre cada uma das etapas que compõem o Future Canvas e veja como esse framework pode auxiliar a sua empresa nas análises de futuro.

1.     Analisar os sinais fracos

Sinais fracos são pequenas mudanças que costumam acontecer debaixo do radar das empresas e que, inicialmente, parecem ter pouco impacto. Mas, considerando o longo prazo, elas podem resultar em grandes mudanças. Se você identificar sinais fracos com antecedência, poderá analisar potenciais futuros que virão com essas mudanças no longo prazo. 

Uma sugestão é escanear o ambiente para identificar sinais fracos e situações emergentes a partir deles. Assim, você deve analisar as informações externas disponíveis para identificar sintomas de mudanças. Isso pode ser feito por meio de conversas com clientes, gestores e outros stakeholders ou até por meio de uma pesquisa de mercado. 

2.     Verificar as consequências desses sinais fracos

A verificação das consequências dos sinais fracos está intimamente ligada à metodologia da roda do futuro. Esse método identifica possíveis consequências diretas e indiretas de eventos de mudança. No centro da roda presente na parte 2 do framework, no espaço “evento”, você deve escrever a mudança a ser avaliada pela metodologia. 

Faça um brainstorm para levantar as possíveis consequências diretas dessa mudança e posicione esses elementos em torno do centro, conectando cada um deles com uma seta. Essas são as chamadas consequências de 1ª ordem. 

Em seguida, analise os desdobramentos das consequências de 1ª ordem, que serão as consequências indiretas do fenômeno central, ou seja, de 2ª ordem.

O processo seguinte é semelhante: você deve analisar as consequências de 3ª ordem ao identificar os possíveis desdobramentos das de 2ª ordem. 

Ao concluir todos os níveis da Roda do futuro, você terá uma imagem das possíveis consequências diretas e indiretas resultantes da mudança analisada. Para que esse método seja ainda mais eficiente para a sua empresa, pense em como gerenciar as consequências negativas e em como tirar proveito das consequências positivas.

3.     Analisar o contexto em que as pequenas mudanças estão ocorrendo

Para identificar agentes de mudanças, precisamos entender o que ocorre atualmente por meio do acrônimo STEEP, usado para obter uma visão do ambiente externo (passado, presente ou futuro). 

Essa sigla refere-se a: 

  • Social: estilos de vida, demografia, valores, comportamento;
  • Tecnológico: inovação, transporte, comunicação, energia;
  • Econômico: taxa de juros, comércio, economia, inflação, subsídios, emprego;
  • Environmental (ambiental): poluição, comida, fatores climáticos;
  • Político: estabilidade, sindicatos, políticas fiscais, grupos de pressão.

Você deverá analisar uma situação que deseja verificar do ponto de vista social, tecnológico, econômico, ambiental (não se trata apenas de meio ambiente, mas o ambiente como um todo, por exemplo, de negócios) e político. Tente identificar tendências em todas essas áreas. Dessa maneira, você consegue ter uma visão maior sobre a situação e identificar eventuais fatores que agem sobre esse contexto.

4.     Entender quais são as tendências

Tendências são um padrão que surge com o potencial de impactar grandes grupos ou governos. Elas podem ser divididas em megatendências, macrotendências, microtendências e modas. 

As megatendências são movimentos que demoram, aproximadamente, 30 anos para se consolidarem, mas são eventos que certamente vão ocorrer. Geralmente, elas estão ligadas a forças macroeconômicas (elementos do STEEP).

Já as macrotendências são mudanças generalizadas que ocorrem num contexto global e duram mais tempo (5 a 10 anos) do que microtendências. As microtendências, por sua vez, são menores e não duram tanto (de 3 a 5 anos). Elas ocorrem a todo momento ao nosso redor. Como suas desvantagens são rapidamente percebidas, logo surgem novas tendências para substituí-las.

Por fim, a moda é algo que ganha popularidade rapidamente e pode sumir na mesma velocidade (de 1 a 3 anos). Nesse caso, existe uma forte influência das mídias sociais nessa popularização e, por isso, as modas ganham e perdem força de um dia para o outro.

5.     Desenhar cenários futuros

Nesse ponto, há algumas possibilidades de cenários futuros, que se ligam diretamente à ideia de Futures Cone, e você deve pensar em todos eles para deixar o seu Future Canvas ainda mais completo. Confira algumas perspectivas:

  • Absurdos: Pense em cenários que hoje parecem absurdos e que, provavelmente, nunca vão ocorrer ou que são impossíveis.
  • Possíveis: Esses são os cenários que podem ocorrer, com base em algum conhecimento futuro que ainda não possuímos, mas que poderíamos ter algum dia. 
  • Plausíveis: São cenários que poderiam acontecer com base em nossa inteligência atual e compreensão de como o mundo funciona hoje. 
  • Projetados: São os cenários que mantêm o status quo. Ou seja, se mais nada mudar, vamos apenas projetar a situação atual para o futuro.
  • Prováveis: São aqueles cenários que, provavelmente, vão acontecer e os quais é possível prever com base em tendências atuais.
  • Desejáveis: São os únicos cenários em que aplicamos nosso juízo de valor. Temos que imaginá-los para identificar o futuro desejado a partir de nossos próprios valores.

Seguindo esse passo a passo para o preenchimento do Future Canvas, você tem muito mais previsibilidade sobre os acontecimentos que podem afetar a sua empresa, além de ficar menos vulnerável a mudanças que talvez aconteçam. Quer acompanhar as tendências do mercado para fortalecer a sua empresa? Conte com a Bits nesse processo! Podemos criar seu produto digital e ensinar as principais tendências do mercado para a sua equipe. Para isso, fale com um de nossos especialistas em futurismo aqui.